21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial

 

O Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, celebrado em 21 de março, coloca em destaque uma luta que é diária e árdua para aqueles que se congregam na construção de uma sociedade, de fato, democrática: a luta antirracista. Em meio à pandemia da Covid-19, que exacerba as desigualdades sociais, essa luta se faz ainda mais urgente, uma vez que, no Brasil, o racismo se apresenta sobretudo contra os negros. Como sabemos, esse é o grupo populacional majoritário no país, embora minoria na garantia de seus direitos e, portanto, mais vulnerável às trágicas consequências dessa doença.

No momento mais crítico da crise sanitária que atravessamos, agravada pelo nosso contexto político, social e econômico, a luta antirracista se alia a uma outra: a luta pela vacina contra Covid-19 para todos. Neste 2021, o enfrentamento da discriminação racial é também o enfrentamento da Covid-19 e de todos aqueles que fomentam a disseminação dessa doença enquanto deveriam intervir para estancar a irreparável perda de vidas.

A Comissão Brasileira Justiça e Paz, organismo vinculado à CNBB, por meio de seu Observatório Racial Dom José Maria Pires, soma-se, assim, a todas as organizações do Movimento Social Negro, na campanha conjunta pela vacina contra a Covid-19 para todos, pela garantia do auxílio emergencial e pelo afastamento do presidente da República para que vidas possam ser salvas.

Contexto

O Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial é celebrado a cada ano em 21 de março para rememorar que, nesse dia, no ano de 1960, em Sharpeville, na África do Sul, a polícia atirou contra pessoas que manifestavam pacificamente contra as normas relativas ao apartheid, tendo matado 69 delas. Essa data foi instituída pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas em 1966, três anos após a publicação da Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial, ratificada pelo Brasil em 1969.