Notas Públicas

    Trabalhador de 38 anos foi alvejado por um fuzil na manhã desta segunda-feira (4) no bairro Tijolinho, na Cidade de Deus

     
    Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
     

    Ouça o áudio

     
    Marcelo Guimarães trabalhava em uma marmoraria e tinha dois filhos - Foto: Tania Rego/Agência Brasil

    Moradores da Cidade de Deus, localizada na zona oeste do Rio, acusam policiais militares de executarem um homem negro na manhã desta segunda-feira (4). Marcelo Guimarães, de 38 anos, estava de moto quando foi atingido por um disparo de fuzil. 

    Segundo a família, ele estaria a caminho do trabalho após ter deixado o filho de 5 anos na escolinha de futebol do bairro quando foi alvejado. Guimarães trabalhava em uma marmoraria.

    A Polícia Militar alega que havia um confronto com traficantes no local, versão contestada pelos moradores, que afirma terem ouvido apenas um disparo. A morte de mais um homem negro, vítima de violência policial, reverberou nas redes fez com que a hashtag #JustiçaparaMarcelo crescesse rapidamente no Twitter. 

    A perícia da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada e um Inquérito Policial Militar (IPM) será aberto.

    Um vídeo feito por uma moradora mostra o momento em que os policiais saem do local com o veículo blindado conhecido como caveirão. 

    Em repúdio à morte,  moradores fecharam a Linha Amarela, no sentido Fundão, por cerca de 25 minutos no início da tarde. Houve também bloqueios na via sentido Barra. 

    Também pelo Twitter, a filha de Marcelo fez um desabafo. “Te mataram pai, na crueldade. O senhor era trabalhador, estava indo trabalhar e te mataram”, escreveu a jovem. 

    O ativista Raull Santiago, que também mora no Rio, lamentou a execução.

    “O primeiro dia útil de 2021 escancara um Rio de Janeiro e Brasil que na favela conhecemos muito bem, totalmente racistas, onde a polícia usa dessa estrutura para executar sem dó corpos negros nos endereços periféricos. Toda força do mundo para essa família que hoje fica sem filho, pai, esposo, irmão... que revoltante, Brasil”, escreveu.

    :: Violência tem cor: 86% dos 1.814 mortos pela polícia do RJ em 2019 eram negros :: 

    fonte: https://www.brasildefato.com.br/2021/01/04/justica-para-marcelo-homem-negro-morre-apos-ser-baleado-pela-pm-no-rj


    Testemunha diz que tiro que matou homem próximo à Cidade de Deus partiu de blindado

    Marcelo trabalhava numa marmoraria
    Marcelo trabalhava numa marmoraria Foto: Reprodução
    Diego Amorim
    EXTRA
     

    Uma testemunha que viu o momento em que Marcelo Guimarães, de 38 anos, foi atingido por bala perdida próximo à Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, afirmou que tiro partiu de dentro do blindado da Polícia Militar. Segundo a testemunha, dois policiais militares do 18º BPM (Jacarepaguá) estavam presentes na hora que o projétil atingiu o Marcelo, que passava de moto na Avenida Edgard Werneck, em Jacarepaguá, na manhã desta segunda-feira, dia 4.

    — Eles entraram no caveirão segundos antes de o Marcelo passar de motocicleta. Eu vi o momento que a arma saiu e o disparo foi feito. Acertou em cheio no peito do Marcelo. Ele acabou sendo atingido, mas a bala poderia ter me acertado se ele não estivesse ali — conta a testemunha, que agora teme pela sua vida.

    ProtestoProtesto por morte de morador da Cidade de Deus fecha sentido da Linha Amarela Protesto por morte de morador da Cidade de Deus fecha sentido da Linha Amarela

    Segundo a testemunha, após ser baleado, Marcelo chegou a pilotar a moto por alguns metros antes de cair. Ela tentou ajudar, mas já não tinha o que fazer. Tão logo o disparo foi feito, de acordo com a testemunha, o blindado da PM deixou o local.

     

    Várias pessoas acompanharam o momento em que o corpo de Marcelo foi retirado do local
    Várias pessoas acompanharam o momento em que o corpo de Marcelo foi retirado do local Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

     

    Viagem programada

    Os sonhos de Marcelo e da família foram interrompidos nesta segunda-feira. Ele planejava fazer uma viagem especial com a mulher, Carla, para Bonito, destino turístico em Mato Grosso do Sul, em abril deste ano. No próximo dia 29, eles completariam 22 anos de casados e programavam um churrasco para celebrar a data.

    — Minha preocupação são meus filhos. Seria a minha primeira viagem de avião, estávamos tão empolgados — diz a esposa.

    Agressão em AngraArquiteta é agredida por dois homens em briga em Ilha de Angra; Polícia investiga caso

    Carla lamenta que o marido não vai poder ver a filha receber o diploma de técnica em enfermagem. A carteira de habilitação, outro sonho da jovem, também era outra meta prevista para 2021. Marcelo pagaria as aulas de direção para a filha.

    — Ficamos a mercê dessa violência. Não sei o que será da minha família agora. Ele sempre foi um ótimo pai — diz a mulher.

     

    Marcelo (camisa regata) e os três irmãos, entre eles, Carina (calça rosa)
    Marcelo (camisa regata) e os três irmãos, entre eles, Carina (calça rosa) Foto: Arquivo Pessoal

     

    A comerciante Carina Guimarães, de 35 anos, chegou ao local minutos depois de o irmão ser baleado. Ela estava saindo da academia quando recebeu um telefonema da cunhada, chorando e dizendo que estava "embaixo da Linha Amarela", pedindo ajuda. Perto do local, Carina foi alertada por um mototaxista de que uma pessoa tinha sido baleada ali. Foi aí que ela ligou os fatos e deduziu a morte de Marcelo.

    — Ele sempre trabalhou para dar um futuro para a família. Há uns dias, ele me disse que em 2021 trabalharia menos e aproveitaria o tempo para viajar e aproveitar a vida. Infelizmente, isso não foi possível, tiraram a vida do meu irmão — diz.

    Jogador MarcinhoAdvogado de Marcinho alega que jogador não prestou socorro após atropelamento 'por temer linchamento'

    Em nota enviada à reportagem, a Subsecretaria de Estado de Vitimados informou que ofereceu atendimento psicológico e social para a família de Marcelo. De acordo com a pasta, a equipe psicossocial esteve no Instituto Médico Legal (IML) conversando com parentes da vítima e vai acompanhar o caso.

    Moradores acusam PMs; Corporação alega confronto

    De acordo com a Polícia Militar havia um confronto no local, mas moradores da Cidade de Deus negam essa versão e dizem ter ouvido apenas um tiro. A perícia da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada. Segundo a versão da PM, o confronto começou quando equipes do 18º BPM que faziam um patrulhamento na Edgard Werneck e foram alvos de disparos feitos por bandidos que estavam na Cidade de Deus. Os agentes, segundo a corporação, revidaram.

    — Não houve operação da PM no local. Marginais rechaçaram com disparos nosso blindado, que vem sendo posicionado no local para dissuadir possíveis investidas. Nesse contexto foi atingido um motociclista que vinha saindo da comunidade e, pela posição dos disparos, é improvável que tenha sido vitimado pelas guarnições da PM — disse o coronel André Silveira, comandante do 18º BPM.

     

     

    fonte: https://extra.globo.com/casos-de-policia/testemunha-diz-que-tiro-que-matou-homem-proximo-cidade-de-deus-partiu-de-blindado-rv1-1-24822574.html