Notas Públicas

    "Basicamente, sempre usando as palavras do arcebispo, para Deus o homem nunca é representado pelo seu pecado. A sexualidade é um dom que é desperdiçado quando não leva a criar uma nova vida, mas fica confinado à esfera do divertimento e isso vale a todos os seres humanos, independentemente de sua orientação", escreve Massimo Selleri, em artigo publicado por Gionata, 08-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini

     

    Eis o artigo.

     

    Os Jesuítas (de Bolonha) estão organizando um curso para operadoras que atendem fiéis LGBT. O cardeal (de BolognaZuppi): “Não é uma pastoral à parte”.

    Em setembro, com suas intervenções, o cardeal arcebispo Matteo Zuppi e o cardeal Marcello Semeraro concluirão um curso de formação para agentes pastorais que atendem pessoas LGBT fiéis.

    O ciclo de aulas - o primeiro na Itália nesses níveis - é organizado pelos Jesuítas de Bolonha e era inicialmente previsto para ser realizado em regime presencial em 2020, mas dada a permanência da pandemia, decidiu-se finalmente utilizar a modalidade via web. São cerca de cem participantes e as questões tratadas são tudo menos simples e a Igreja muitas vezes deu a impressão de não estar muito disposta a abordar o assunto.

    A verdadeira virada aconteceu em outubro de 2018, durante o Sínodo da Juventude, do qual Zuppi participou. No documento final, o parágrafo 150 diz: “Em muitas comunidades cristãs já existem caminhos de acompanhamento na fé de pessoas homossexuais: o Sínodo recomenda favorecer esses caminhos. Nesses caminhos, as pessoas são ajudadas a ler sua própria história; a aderir com liberdade e responsabilidade ao próprio chamado batismal; a reconhecer o desejo de pertencer e contribuir para a vida da comunidade; a discernir as melhores maneiras de implementar isso. Desse modo, cada jovem, sem exceção, é ajudado a integrar cada vez mais a dimensão sexual na sua personalidade, crescendo na qualidade das relações e caminhando para o dom de si”.

    Em seu magistério, Zuppi vai além. Uma vez que a orientação faz parte da identidade do ser humano e não é possível separar uma da outra, o acolhimento não é suficiente, pois quando se fala de discriminação às vezes é apenas uma tentativa de embelezar o fato de ter que dar suporte, que é apenas o ponto de partida para uma valorização dentro da comunidade cristã.

    Portanto, não serve uma pastoral específica, que teria o sabor da marginalização, ainda que doce ou gentil, mas servem operadores competentes que acompanhem as pessoas homossexuais a se inserirem plenamente no tecido da Igreja para enriquecê-la com sua diversidade.

    Para aqueles que pensam que tudo isso seja uma adaptabilidade dos princípios para não colidir com uma questão 'candente' de nosso tempo, deve ser lembrado como a Doutrina Cristã faz uma distinção clara entre "Quem você é " e "O que você faz”, enquanto são as categorias humanas que criam uma sobreposição entre esses dois conceitos, chegando a colocar rótulos que nada têm a ver com fé.

    Basicamente, sempre usando as palavras do arcebispo, para Deus o homem nunca é representado pelo seu pecado. A sexualidade é um dom que é desperdiçado quando não leva a criar uma nova vida, mas fica confinado à esfera do divertimento e isso vale a todos os seres humanos, independentemente de sua orientação.

     

    Leia mais

    fonte: http://www.ihu.unisinos.br/607337-os-jesuitas-de-bolonha-organizam-um-curso-para-refletir-sobre-o-acolhimento-de-homossexuais-na-igreja