Notas Públicas

    “O que é mais notável, entretanto, nos escritos da cabala anti-Francisco é o fato de que eles não fazem nenhum esforço para esconder a sensação palpável de que estão se comportando como crianças que tiveram um brinquedo roubado delas. Como ousa o povo estadunidense eleger Biden. Como ousam os cardeais eleger Francisco. Esse tom surge em todos os seus escritos. Sempre”, escreve Michael Sean Winters, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 26-02-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

     

    Eis o artigo.

     

    Jornalistas que cobrem a Igreja Católica enfrentam um duro obstáculo, porque a maioria das decisões importantes são feitas em segredo. Decisões pessoais são majoritariamente feitas de portas fechadas; um novo bispo nem mesmo sabe que é candidato até que seja escolhido. Mesmo quando uma decisão é pública, como quando os bispos elegem as comissões para as conferências nacionais, não há plataformas de campanha para demarcar porque um candidato venceu e outro perdeu, e muitas vezes as diferenças não são totalmente ideológicas. Precisa-se de muitos anos de atenção para reconhecer as dinâmicas das conferências de bispos, reconhecer que algumas alianças datam de relações forjadas no seminário ou nos escritórios de Roma, quais os temas unem os bispos ou os dividem, e quais conexões em Roma podem ser empregadas para alcançar o desejo final. Um trabalho de jornalista é encontrar caminho para espreitar por trás das cortinas e explicar o que está acontecendo e porquê.

    Algumas vezes essa espreitada requer fontes anônimas, e nós jornalistas dependemos disso. Mas os fins para os quais o anonimato é usado são importantes. Uma coisa é contar com uma fonte anônima para divulgar uma história, outra é permitir o anonimato como meio de assassinar o caráter de alguém. Onde está a accountability? Se alguém me disser anonimamente que X vai acontecer amanhã e eu imprimir, e X não acontecer, estou no gancho por ter publicado um boato falso. Mas lançar calúnias anônimas contra outros não oferece nenhum mecanismo embutido de responsabilidade, nem para as fontes nem para o escritor. É uma abordagem que é inerentemente – você pode até dizer intrinsecamente – sinistra.

    Nesta semana, deu-se uma boa olhada por trás da cortina hierárquica e um exemplo de anonimato usado para assassinar por parte de Fran Maier, o antigo amanuense e conselheiro sênior do ex-arcebispo da Filadélfia Charles Chaput. Escritor talentoso, Maier é agora bolsista sênior do Centro de Ética e Políticas Públicas e pesquisador associado em Estudos Constitucionais na Universidade de Notre Dame.

    Maier escreveu uma coluna estranhamente, até assustadoramente, intitulada “Alguém precisa ser pai”, na First Things, que apresenta os resultados de entrevistas confidenciais que ele conduziu com 28 bispos dos EUA nos últimos meses.

    Maier relata algumas observações nada excepcionais: As receitas da maioria das dioceses foram afetadas pela covid-19, mas não tanto quanto se temia; as taxas de participação sacramental continuam diminuindo; tarefas administrativas tendem a sobrecarregar a rotina diária. Ao comentar as relações com as autoridades civis, um bispo disse a Maier “somos generais sem exércitos e as autoridades civis sabem disso”, o que me pareceu interessante e preciso. Mas estes são meros aperitivos.

    A carne vermelha chega logo. Ao discutir a seleção de novos bispos, “[Os bispos] se preocupam – este era um tema recorrente – com a interferência no processo de seleção no nível da congregação romana. Isso normalmente envolvia uma desconfiança implícita e, às vezes, bastante explícita de um determinado americano cardeal que permanecerá sem nome”.

    Interferência? Como um cardeal que faz parte da Congregação para os Bispos “interfere” no trabalho dessa congregação?

    É verdade que os estadunidenses que fazem parte da Congregação para os Bispos exercerão maior influência sobre a seleção de novos bispos do que outros bispos estadunidenses que não têm a tarefa de preparar a ponenza, os dossiês de candidatos originados do núncio e orientar a discussão da congregação em seu Encontros. Se houver algum fim no processo que cause “desconfiança”, Maier ou seus interlocutores devem identificá-lo. O último negócio realmente duvidoso na Congregação para Bispos que conheço veio em 2012, quando os cardeais Raymond Burke e Justin Rigali trouxeram a seleção de um novo arcebispo de San Francisco e garantiram a nomeação de seu candidato favorito, quando o cardeal William Levada estava no Hospital. Ele havia servido como arcebispo da cidade perto da baía por 10 anos, então sua contribuição pode ter sido decisiva. O próprio Levada contou-me sobre isso mais de um ano depois, e ele ainda estava muito chateado com isso.

    Os bispos anônimos de Maier também aparentemente precisam um curso de reciclagem em direito canônico. “Muitas vozes irritadas com o cardeal de Washington, Wilton Gregory, por cortar a liderança da conferência dos bispos na questão da Comunhão e o problemático status sacramental do presidente Biden”, ele escreve. A conferência não tem papel jurídico em decidir quem deveria ou não deveria ser barrado da fila da Comunhão. Gregory é o bispo da igreja de Washington D.C., e mais ninguém. Mas isto não tem importância para a irritação de bispos anônimos.

    Cardeal Gregory e o presidente Biden são bons companheiros, embora Maier tenha escolhido observações para o Papa também. Ele escreve:

    Todos os homens com que eu falei expressaram uma fidelidade sincera ao Santo Padre. Muitos louvaram seus esforços para remodelar a Cúria Romana para uma postura mais orientada para o serviço em relação com os bispos locais. Mas muitos também falaram igualmente de uma frustração vigorosa, que eles veem comentários e comportamentos ambíguos, os quais frequentemente alimentam confusões entre os fiéis, aumentam os conflitos e atacam a habilidade dos bispos de ensinar e liderar”.

    Então, eles pensaram que ele era um cara legal quando o visitaram durante suas reuniões ad limina, mas eles acham que ele não é um papa muito bom, é isso? O boato sobre a ambiguidade no ensino e a confusão entre os fiéis existe desde que os cardeais da dubia lançaram seu ataque ao Papa Francisco em 2016. É um anexo dos sites de direita como LifeSiteNewsFirst Things e o National Catholic Register de propriedade da EWTN. Se os bispos com quem Maier conversou não conseguem compreender o esforço de boa-fé de Francisco de fazer mais pelo ministério pastoral do que lançar uma cópia do catecismo aos fiéis leigos, então acho que podemos questionar quão “sincera” é sua fidelidade ao Santo Padre.

    Maier faz parte de uma conspiração de católicos leigos conservadores que se tornaram influentes com certos religiosos. No mês passado, foi a oportunidade de George Weigel atacar Biden e, no ano passado, ele publicou um livro, “O Próximo Papa”, que foi uma longa crítica a Francisco. Neste mês, foi a vez de Maier. O padre Raymond De Souza foi rápido em elogiar o cardeal Robert Sarah depois que a renúncia do cardeal foi aceita, e o cardeal enviou um tuíte grosseiro com “A única rocha é Cristo”. Edward Pentin, do Register, que deu a notícia sobre o testemunho de Viganò pedindo a demissão de Francisco, é outra parte da brigada anti-Francisco.

    E não preciso depender de nenhuma fonte anônima para saber que todos estão em conluio. Sei disso porque Fran Maier, durante o Sínodo da Juventude 2018, postou uma foto deles todos juntos em Roma. Na foto, eles se juntam a David Scott, assessor de longa data do arcebispo José Gómez, bem como Robert Royal, membro do “destacamento papal” no “O fim do mundo com Raymond Arroyo” da EWTN, Kieran Walton, secretário particular do arcebispo Anthony Fisher, de Sydney, Austrália, e Anna Halpine, fundadora da organização não governamental World Youth Alliance. Maier era o fotógrafo.

    É lógico que diferentes pessoas seriam afetuosas com diferentes papas, assim como são afetuosas com diferentes partidos políticos ou diferentes tipos de entretenimento. O que é mais notável, entretanto, nos escritos da cabala anti-Francisco é o fato de que eles não fazem nenhum esforço para esconder a sensação palpável de que estão se comportando como crianças que tiveram um brinquedo roubado delas. Como ousa o povo estadunidense eleger Biden. Como ousam os cardeais eleger Francisco. Esse tom surge em todos os seus escritos. Sempre.

    Nesse caso, porém, o problema é mais do que um tom. Alguns podem pensar que se esconder atrás do anonimato não importa, e talvez não importasse quando Maier estava procurando por Chaput. Mas, quando você é afiliado a uma universidade de pesquisa moderna, apresentar os resultados de uma série de entrevistas com pessoas importantes implica um certo verniz de ciências sociais. Você não pode simplesmente ligar para seus amigos e sugerir que eles são uma amostra representativa. Maier deve divulgar os nomes dos bispos que entrevistou. Ele não precisa conectar nenhum bispo em particular com nenhuma declaração particular. Mas se aceitarmos suas conclusões como significativas, temos o direito de saber se sua amostra foi representativa ou não.

    Além disso, qual é a qualificação de Maier para participar de um programa de estudos constitucionais? Ele costumava trabalhar na mesma rua do Liberty Bell. Isso conta? E o que isso interfere nas opiniões dos aliados de seu ex-chefe  e o que isso tem a ver com os estudos constitucionais? Certamente, nada do que ele escreve aqui responde a essas perguntas. Nada do que ele escreve aqui responde realmente a quaisquer perguntas.

    Nem relatar covardemente ataques anônimos ao papa e aos principais membros da hierarquia dos EUA é coerente com a missão da principal universidade católica dos Estados Unidos, mesmo que seja uma tarifa padrão na First Things. Padre John Jenkins: Ligue para seu escritório!

    arcebispo Gómez, que conhece Maier de seu tempo juntos em Denver 20 anos atrás e agora é o líder eleito dos bispos dos EUA, também deve ligar para seu gabinete. Este artigo reflete as opiniões dos bispos como um corpo? Eles estão todos, ou pelo menos a maioria, “frustrados” com o papa e, em caso afirmativo, o que Gómez planeja fazer a respeito? A hierarquia dos EUA está comprometida em exercer seu ministério sub Petro et cum Petro ou não?

    fonte: http://www.ihu.unisinos.br/607108-bispos-dos-eua-em-anonimato-atacam-o-papa-francisco