Notas Públicas

    O presidente e o primeiro-ministro da Índia foram instados a procurar a libertação do padre Stan Swamy cuja saúde deteriora-se na prisão.

    A reportagem é publicada por UCA News, 18-11-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

    Líderes cristãos apelaram ao presidente indiano e ao primeiro-ministro para ajudar a dar fim à detenção de um jesuíta idoso depois que o padre escreveu a um colega dizendo que sua saúde está se deteriorando, não conseguindo se alimentar ou beber sem ajuda dos companheiros de cela.

    Uma delegação liderada pelo bispo Derek Fernandes de Belgaum enviou um memorando para o presidente Ram Nath Kovind e o primeiro-ministro Narendra Modi ao vice-comissário do distrito de Belagavi (anteriormente Belgaum), no estado sulista de Karnataka, em 17 de novembro.

    Eles procuram a intervenção dos líderes para a libertação do padre jesuíta de 84 anos Stan Swamy, que foi preso em 08 de outubro, acusado de sedição e de ter ligações com um grupo maoísta clandestino. Ele está presido desde então e teve a fiança negada duas vezes.

    “Nós queremos que o padre Stan Swamy seja libertado sob fiança imediatamente por conta da deterioração do seu estado de saúde e da idade avançada ”, disse dom Fernandes, explicando o conteúdo do memorando.

    Mais de 200 pessoas com a bandeira do Fórum Cristão Unido também protestaram silenciosamente na cidade de Belagavi antes de entregar os memorandos ao oficial distrital.

    Vida sofrida

    “Estamos irritados e preocupados com sua saúde, pois ele mesmo escreveu a um de seus colegas sacerdotes dizendo que precisava da ajuda de outras pessoas para comer, beber e realizar outras necessidades pessoais”, disse o bispo Fernandes à UCA News em 18 de novembro.

    O tribunal ainda não respondeu ao pedido do padre Swamy, feito em 6 de novembro, para permitir que ele usasse garrafa e canudo, já que ele não podia consumir líquidos naturalmente por causa da doença de Parkinson. O tribunal divulgou sua próxima audiência para 26 de novembro.

    Em uma carta a um de seus colegas jesuítas, o padre disse recentemente que vive em uma cela de cerca de 4m x 2m, junto com mais dois internos.

    “Tem um banheiro pequeno e um vaso sanitário com uma cômoda indiana. Felizmente, recebo uma cadeira cômoda ocidental”, dizia a carta.

    O padre disse que pessoas presas com ele, como Varavara RaoVernon Gonsalves e Arun Ferreira, estão em outra cela.

    “Durante o dia, quando as celas e os quartéis estão abertos, nos encontramos. Das 17h30 às 6h e do meio-dia às 15h, fico trancado em minha cela com dois internos”, escreveu o padre Swamy.

    Arun me ajuda no café da manhã e no almoço. Vernon me ajuda com o banho. Meus dois colegas ajudam durante o jantar, lavando minhas roupas e massageando minhas articulações dos joelhos”.

    Seus colegas de cela são “de famílias muito pobres. Por favor, lembrem-se dos companheiros presos em suas orações. Apesar de todas as probabilidades, a humanidade está borbulhando na prisão de Taloja” no estado de Maharashtra, dizia a carta.

    'Não deixe cair acusações'

    O padre está entre os 16 ativistas sociais e advogados presos sob a rígida Lei de Prevenção de Atividades Ilícitas pela Agência Nacional de Investigação (NIA), cujo papel é combater o terror no país.

    O caso os ligava a um incidente violento em Bhima-Koregaon, uma cidade em Maharashtra, em 1º de janeiro de 2018, no qual uma pessoa morreu e várias ficaram feridas.

    O padre Seby Pereira, um colega jesuíta do padre Swamy, disse que o padre idoso já sofre de problemas relacionados com a idade e de muitas outras doenças, incluindo Parkinson.

    Ele disse que embora os oficiais da Igreja estejam convencidos de que o padre Swamy é inocente, eles não estão pedindo para libertá-lo em julgamento.

    “Estamos apenas pedindo fiança por motivos de saúde. Sabemos que ele não cometeu nenhum crime. Mas não estamos pedindo para retirar todas as acusações. Deixe a agência de investigação continuar sua investigação. Queremos que ele seja libertado sob fiança para que possamos levá-lo e cuidar de sua saúde”, disse o padre Pereira.

    Todos os ativistas presos questionaram as políticas do partido pró-hindu Bharatiya Janata (BJP), que governa o governo federal e vários outros estados da Índia.

     

    fonte: http://www.ihu.unisinos.br/604826-india-cristaos-pedem-pela-libertacao-de-jesuita-idoso