Um pedido de impeachment assinado por mais de 380 lideranças da igreja católica e de diversas denominações evangélicas foi apresentado na tarde desta terça-feira (26) na Câmara dos Deputados. A articulação surgiu a partir de diversos grupos religiosos e o objeto central do pedido é a ação do governo.

Religiosos pedem impeachment de Bolsonaro. Foto: Divulgação. 

 

A reportagem é de João Frey, publicada por Congresso em Foco, 26-01-2021.

Um dos signatários do pedido, o monge beneditino Marcelo Barros - teólogo ligado à Teologia da Libertação - afirmou que Jair Bolsonaro, desde sua campanha, tem se beneficiado da divulgação de notícias falsas e da “utilização absolutamente desonesta da religião, de Deus e da Fé”.

“Um dos gritos dessa força que trouxe o atual presidente ao poder era “Deus acima de todos”. Muitos religiosos e religiosas das mais diversas religiões precisavam vir a público para dizer que não estamos de acordo com esta instrumentalização da religião”, disse. “Não podemos nos colocar nesta mesma fileira de pastores padres e até cardeais católicos que apoiam o pior, que foram contra a democracia, porque no segundo das eleições [de 2018] não se tratava mais de um partido contra outro; era a democracia, mesmo problemática que temos, ou a barbárie”, afirmou.

Barros disse ainda que a ação do governo diante da pandemia, que incentivou ações que levaram pessoas à morte, fez crescer ainda mais a articulação de religiosos que sentiram a necessidade de agir.

“Jesus não assinou contrato de exclusividade com nenhum padre, cardeal ou pastor”, afirmou.

Leia o documento AQUI

 

Leia mais

fonte: http://www.ihu.unisinos.br/606425-padres-e-pastores-pedem-impeachment-de-bolsonaro-usa-deus-de-forma-desonesta


Padres e pastores se unem e protocolam pedido de impeachment de Bolsonaro

Além de integrantes da Igreja Católica, assinaram o pedido líderes da Igreja Luterana, Anglicana, progressistas batistas, presbiterianos, metodistas e da Assembleia de Deus. Eles acusam Bolsonaro de crime de responsabilidade por sua desastrosa condução da pandemia da Covid-19

O pedido de impeachment é a primeira movimentação coordenada de líderes religiosos contra Bolsonaro
O pedido de impeachment é a primeira movimentação coordenada de líderes religiosos contra Bolsonaro (Foto: Lula Marques)

 

247 - Mais de 380 líderes religiosos de diversas filiações protocolaram nesta terça-feira (26) um pedido de impeachment contra Jair Bolsonaro, que, segundo eles, cometeu crime de responsabilidade na condução da pandemia da Covid-19. 

Entre os signatários estão líderes católicos, luteranos, anglicanos progressistas batistas, presbiterianos, metodistas e evangélicos da Assembleia de Deus, entre outros. 

No texto, é ressaltado o "não acesso à vacina" e "desprezo pela vida dos cidadãos". As práticas criminosas de Bolsonaro, aponta, usurpam o direito à saúde previsto na Constituição Federal.

"Como cristãos e cristãs entendemos ser nosso dever participar da luta pela promoção e defesa dos direitos humanos e contra qualquer tipo de opressão ou ação que tenha como resultado o adoecimento e a morte da população. Por esse motivo é que nos colocamos na luta pelo afastamento do senhor presidente da República Jair Messias Bolsonaro", escreveram as lideranças.

Uma das signatárias, a pastora luterana Lusmarina Campos Garcia,  destacou a postura criminosa de Bolsonaro diante da crise sanitária que o país atravessa: Os motivos principais são aquilo que a gente considera como crime de responsabilidade por parte do presidente na área da saúde pública, principalmente nesse momento da pandemia da Covid-19. As atitudes desrespeitosas por parte dele que resultaram e continuam resultando na morte de tantos brasileiros se constitui crime de responsabilidade", disse, conforme reportado na coluna de Chico Alves, no Uol. 

"Ele está indo contra um direito social, que é o direito saúde. Está indo contra princípios fundamentais da população brasileira, o que nós consideramos crime da parte dele", completou.

O monge beneditino Marcelo Barros, ligado à Teologia da Libertação, movimento que prega uma mensagem humanista da Igreja, notou também a frequente usurpação do nome de Deus pelo presidente.

“Um dos gritos dessa força que trouxe o atual presidente ao poder era “Deus acima de todos”. Muitos religiosos e religiosas das mais diversas religiões precisavam vir a público para dizer que não estamos de acordo com esta instrumentalização da religião”, disse, conforme reportado no Congresso em Foco. 

Este é o 63º pedido de impeachment contra Bolsonaro. Trata-se da primeira movimentação coordenada de líderes religiosos contra o presidente, que se vê cada vez mais isolado.

 Veja o documento AQUI 

fonte: https://www.brasil247.com/brasil/padres-e-pastores-se-unem-e-protocolam-pedido-de-impeachment-de-bolsonaro

 

 


Religiosos pedem impeachment de Bolsonaro por negligência no combate à pandemia

Religiosos entraram com pedido de impeachment contra Bolsonaro por negligência no combata à pandemia. O pedido é assinado por padres católicos, anglicanos, luteranos, metodistas e também pastores. A iniciativa tem apoio do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, da Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB e da Aliança de Batistas do Brasil. É a primeira vez que representantes religiosos encaminham uma denúncia contra o presidente por crime de responsabilidade
 
PT - 26/01/2021 17h45 - atualizado às 19h15
 
Lula Marques

Lideranças religiosas, acompanhadas de parlamentares, encaminham pedido de impeachment

 

Um novo pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro foi apresentado na tarde desta terça-feira, 26. Desta vez, assinado por religiosos críticos ao governo. Na lista estão padres católicos, anglicanos, luteranos, metodistas e também pastores. O pedido tem apoio do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, da Comissão Brasileira Justiça e Paz da Confederação Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) e da Aliança de Batistas do Brasil. A presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), e os deputados José Guimarães (PT-CE) e Carlos Zarattini (PT-SP) acompanharam a apresentação do pedido.

Lideranças religiosas e parlamentares do PT na entrega do pedido de impeachment de Bolsonaro. Foto: Lula Marques.

O pedido, formulado pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, é centrado na denúncia dos crimes de responsabilidade referentes à área de saúde. De acordo com o pedido, os autores denunciam o manejo criminoso das políticas sanitárias durante a pandemia e o não acesso à vacina. Os religiosos caracterizam que o presidente agiu com desprezo pela vida dos cidadãos e cidadãs brasileiras usurpando-lhes o direito à saúde. Assim, alegam, infringindo assim diversos artigos da Constituição Federal, principalmente o artigo 196 e os seguintes.

Um dos signatários do pedido, o monge beneditino Marcelo Barros – teólogo ligado à Teologia da Libertação – afirmou que Jair Bolsonaro, desde sua campanha, tem se beneficiado da divulgação de notícias falsas e da “utilização absolutamente desonesta da religião, de Deus e da Fé”. “Um dos gritos dessa força que trouxe o atual presidente ao poder era “Deus acima de todos”. Muitos religiosos e religiosas das mais diversas religiões precisavam vir a público para dizer que não estamos de acordo com esta instrumentalização da religião”, disse.

Romi Márcia Gomes, pastora da Igreja Luterana, na entrega do pedido de impeachment de Bolsonaro por negligência no combate à pandemia. Foto: Lula Marques

“Uma parcela da igreja deu um apoio acrítico e incondicional ao Bolsonaro independentemente do discurso que ele defendia. Queremos mostrar que a fé cristã precisa ser resgatada e que a igreja não é um bloco monolítico”, disse ao jornal Estado de S. Paulo o teólogo Tiago Santos, um dos autores do pedido de impeachment. O bispo primaz da Igreja Anglicana do Brasil, Naudal Alves Gomes, a presidente da Aliança de Batistas do Brasil, Nívia Souza Dias, e os teólogos Lusmarina Campos Garcia, Leonardo Boff e Frei Betto também estão entre os signatários da ação.

Dom Mauricio Andrade , representante da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, na entrega do pedido de impeachment de Bolsonaro por colocar a vida dos brasileiros em risco. Foto: Lula Marques

Quem assina

O pedido é assinado pelos seguintes movimentos::

  • Aliança de Negras e Negros Evangélicos do Brasil (Anneb)
  • Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder Câmara (Cefep)
  • Coletivo Abrigo: Pastoral de educação e assistência social de Porto Alegre – RS
  • Coletivo Empatia Clarifranciscana
  • Coletivo Juventudes, Fé, Ciência.
  • Coletivo de Mulheres das Organizações Religiosas do Distrito Federal (Comordf)
  • Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic)
  • Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB)
  • Cristãos Contra o Fascismo
  • Instituto Catarinense de Juventude (ICJ)
  • Juventude Franciscana do Brasil (Jufra)
  • Liberta – Movimento de Igrejas Libertárias
  • Movimento Fé e Política RS
  • Movimento Social de Mulheres Evangélicas do Brasil (Mosmeb)
  • Movimento Social Religioso do Distrito Federal
  • Mulheres Contra Bolsonaro
  • Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP)

Da Redação com Congresso em Foco

 

fonte: https://pt.org.br/religiosos-pedem-impeachment-de-bolsonaro-por-negligencia-no-combate-a-pandemia/